Espíritos comem, dormem e trabalham?

10:07 Meu Livro Espírita 0 Comments


Quando o Espírito desencarna, várias situações podem lhe ocorrer. É possível que, dependendo de sua ignorância completa sobre o estilo de vida que o aguardava e de seu pouco adiantamento moral, simplesmente permaneça imantado à crosta terrestre, fixado aos objetos que lhe eram caros ou constituíam seu foco de interesse, como o próprio lar ou, pior, nas proximidades do local em que seu corpo físico experimenta o natural processo de desintegração.

Ou perambula pelas ruas, bares e prostíbulos e mesmo locais de suas antigas atividades profissionais, isto tudo de acordo com suas preferências pessoais e diferentes graus de consciência ou, no caso, inconsciência. Não raro, nem se reconhece como morto, situação que pode durar alguns dias ou muitos anos até que algum tipo de socorro venha arrancá-lo deste estado de perturbação, permitindo que retome a vida normal e ambiente mais apropriado.

E que ambiente seria este? Colônias espirituais amplamente descritas por inúmeros autores desencarnados como André Luiz, por exemplo, através da psicografiado médium Chico Xavier e muitos outros e testemunhos de alguns médiuns que possuem a faculdade de, durante o sono natural ou sonambúlico, desprender-se do corpo físico e excursionar por esses lugares, fazendo relatos sobre o que lá puderam observar.

  
Nessas colônias, como Nosso Lar, a mais conhecida e bem descrita na obra homônima, clássico da literatura espírita escrita em 1944, a vida transcorre como na Terra. Tudo lá é extremamente organizado e encontram-se construções como casas de moradia, hospitais, escolas, jardins e meios de transporte. As pessoas trabalham, estudam, divertem-se e repousam.

Aqui um detalhe: ao tomarmos contato com esse tipo de informação é importante notar que as experiências dos seres que lá trabalham estão condicionadas às suas necessidades e hábitos. Por exemplo, contam-nos que muitos de seus habitantes alimentam-se normalmente, bem como possuem outras necessidades fisiológicas. Em locais mais densos, digamos assim, onde é maior a inferioridade moral dos que lá estão, é comum se falar em orgias sexuais regadas a alcoólicos.

Em Nosso Lar, os Espíritos recém-recolhidos ficam em tratamento nos quais são medicados por magnetização, mas também por remédios “naturais” ou quando, já em situação melhor, levam uma vida normal como na Terra com afazeres diversos, mas dependentes de troca de vestuário, alimentos, sono, etc. Já os colaboradores mais antigos e, portanto, mais esclarecidos dispensam estas muletas psicológicas. Necessitam de energias para manter-se em atividade, mas as retiram diretamente da natureza pela respiração ou através de manipulações especiais, porém de modo automático e sem necessidade de receber a forma de alimento específico com relação aos da Terra como pão ou frutas. É energia em estado puro.

Diz-se que o Nosso Lar encontra-se localizado geograficamente a algumas dezenas de quilômetros acima da cidade do Rio de Janeiro, mas poderia ser diferente, e termos alguma colônia embutida no nosso globo, uma vez que para os Espíritos, também a depender da sua capacidade de dominar as forças naturais e os fluidos, não há barreiras materiais. Pela sua constituição atravessam paredes de qualquer espessura ou material e deslocam-se quase que instantaneamente de um ponto a outro.

Destacamos que tudo isso é relativo, pois temos descrições de Espíritos aos quais lhes é interdito uma coisa como outra. Usam portas para entrar ou sair e o deslocamento se faz por meio de veículos adequados e gastam tempo para isso, embora menores que aqui. Talvez com as novas tecnologias estejamos nos aproximando da construção de aparelhos voadores tão velozes que possam confirmar a tese de que tudo o que existe e é criado por aqui, na verdade já existia primeiro nas dimensões espirituais.

Enfim, o mundo espiritual é tão real como o nosso. Quando estivermos lá, nos reconheceremos por inteiro, com nossa identidade pessoal, com nossos atributos de conhecimento e sentimento, nossa memória preservada, um corpo idêntico quanto à morfologia ao de carne e que continuará nos servindo de instrumento de atuação sobre tal mundo, que sentiremos as mais das vezes tão sólido sob nossos pés como o temos aqui.

Comente com o Facebook: