A morte segundo o espiritismo

07:32 Meu Livro Espírita 0 Comments


Para a Doutrina Espírita, antes de tudo, a morte não é o fim!O papel e o significado da morte para o Espiritismo foi revelado pelos espíritos superiores a Kardec, cuja missão foi mostrar ao mundo o que ocorre após o desencarne (morte).

Diversos outros espíritas com o médium Chico Xavier contribuíram para elucidar e mostrar que a morte é apenas uma passagem para o verdadeiro mundo, o Mundo Espiritual. Chico Xavier transmitiu diversas mensagens de espíritos para os seus familiares, consolando os que ficaram e mostrando, ao mesmo tempo, que a morte não foi um fim, mas sim o recomeço de uma outra etapa, e que eles, os entes queridos, continuam existindo e ligados aos que ficaram pelos laços da afetividade. Até porque a vida terrestre, em um corpo físico, bem como a vida no plano espiritual, em um corpo sutil, são apenas etapas para o aperfeiçoamento e o aprendizado do espírito e, ao morrermos, nossas almas continuam e vão para o mundo espiritual levando na bagagem tudo o que aprendemos nessa passagem terrena.

Além disso, cada alma é única e tem uma essência própria, ou seja, no mundo dos espíritos ela continua a ser quem sempre foi, mantendo sua características individuais de personalidade. Assim, se o indivíduo era carinhoso, simpático e otimista, vai chegar do lado de lá com essas características. Se era carrancudo, odiento ou desajustado, também vai chegar lá dessa maneira. Ninguém morre e via santo!! E ao “acordar” no mundo espiritual, percebe que a vida continua, deixando para trás apenas o corpo de carne.

5 informações confirmadas do filme Nosso Lar 2

14:14 Meu Livro Espírita 0 Comments


No ano passado a Federação Espírita Brasileira (FEB) anunciou em seu site oficial a continuação do filme Nosso Lar, deixando o público com grande expectativa para assistir ao longa. Um ano se passou e, após muitos rumores circulando na internet, levantamos 5 informações já confirmadas sobre a obra. Confira:

1 - O desenvolvimento será em 2017

Segundo o diretor Wagner de Assis, em entrevista para a FEB, o filme Nosso Lar 2 entrará em pré-produção no início de 2017, fase que conta com a captação de recursos e ajustes financeiros e burocráticos.

Espera-se que o filme seja lançado em 2018.

2 - Você pode participar do longa

Sim, você pode ser um figurante no filme Nosso Lar 2, mas é preciso ter experiência prévia, ao menos com técnicas de atuação. Segundo o diretor, "é muito legal esse interesse de gente que nunca fez figuração, mas tenho que informar que são regras profissionais que seguimos - e é preciso estar cadastrado em agências do ramo".



3 - Nosso Lar 2 será baseado nos livros "Obreiros da Vida Eterna" e "Os mensageiros"

A companhia Cinética Filmes anunciou que Nosso Lar 2 será baseado nos livros "Obreiros da Vida Eterna" e "Os mensageiros", ambos de Chico Xavier pelo Espírito André Luiz. Para quem não sabe, não existe o livro Nosso Lar 2. O termo "Nosso Lar 2" é uma forma de dar continuidade à proposta e público do primeiro filme, que tornou-se o número 1 entre os filmes nacionais dos últimos quinze anos: foram arrecadados 5,9 milhões de reais.

4 - Renato Prieto será André Luiz novamente

A boa recepção de Renato Prieto como André Luiz deu garantia ao ator na continuidade da trama. No filme, será dada sequência à narrativa do espírito sobre nossa evolução e o medo da morte. 

5 - Primeira imagem oficial foi divulgada

Junto com o anúncio oficial do filme foi divulgada a primeira imagem promocional, confira:



A missão dos pais, segundo o espiritismo

10:41 Meu Livro Espírita 0 Comments


Créditos: Rita Foelker / Rádio Boa nova

Em diversos lugares de “O Livro dos Espíritos” e do “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, Allan Kardec e os Espíritos da Codificação falam da responsabilidade dos pais pela educação dos filhos.

Na questão 208 de “O Livro dos Espíritos”, está escrito que: o Espírito dos pais tem a missão de desenvolver o dos filhos pela educação; isso é para ele uma tarefa. Se nela falhar, será culpado.

Na questão 582, lemos igualmente que este dever implica, mais do que o homem pensa, sua responsabilidade para o futuro.

Em todos os momentos em que este assunto é trazido à baila, ressalta a seriedade do compromisso espiritual assumido pelos pais e mães, de possibilitar a um Espírito a chance de encarnar naquele núcleo familiar.

O segundo trecho citado, fala numa responsabilidade maior do que o homem pensa. O que pensamos hoje em dia a esse respeito? Isto merece uma reflexão à luz do Espiritismo. Seriam os filhos resultado de um descuido com os métodos contraceptivos? Não, pois os filhos não são frutos do acaso, apesar de surgirem em nossas vidas aparentemente fora de hora.

O acaso não existe, o que existe é o cumprimento de uma lei de amor e justiça. No momento propício, as almas se reúnem sob laços de família para colaborarem uns com os outros na superação de problemas e na conquista da harmonia e da felicidade. Seriam os filhos meios de prender o parceiro num relacionamento? Não, pois os Espíritos cumprem uma trajetória de evolução individual, para melhorar intelectual e moralmente. Buscam, na encarnação, os meios de realizar seu progresso, necessitando para isso do cuidado e da orientação dos pais. Suas vidas têm um propósito maior em si mesmas, e não podem nem devem ser usadas para fins egoísticos.


A vida na Terra é um projeto educacional, onde a lei divina dá ao Espírito a oportunidade do renascimento junto a seres que têm condições de ajudá-lo a realizar seu aprimoramento. Recebe ele, para isso, um organismo físico apropriado às experiências que necessita atravessar e um grupo familiar inserido num meio material e social com características que o estimularão a exercitar as capacidades e os sentimentos que veio treinar.

Os pais cumprem o papel de protegê-lo em sua fragilidade dos primeiros anos e de despertar sua consciência para o amor ao bem e à verdade: isto é o que brota claramente dos livros da Codificação.

Contudo, não estão os pais sozinhos diante de um desafio tão complexo. Contam na Terra com a família, com os professores, com especialistas de muitas áreas, com ótimas publicações (livros, revistas e websites), além da indispensável inspiração dos Amigos Espirituais e dos Anjos Guardiões. A prece e o recolhimento são instrumentos ao seu alcance a qualquer momento. Embora grande seja a sua responsabilidade, muitas são as portas a se bater em busca de auxílio.

Afinal, Deus também é Pai que nos educa e supre nossas reais necessidades. Verificamos hoje os grandes males emocionais e sociais resultantes da negligência de muitos pais e mães para com sua missão. O nosso mundo e os nossos filhos solicitam que eles abracem com amor e determinação a tarefa de educar.

5 supostas reencarnações de Chico Xavier

06:59 Meu Livro Espírita 0 Comments


No livro “Chico, Diálogos e Recordações”, o autor Carlos Alberto Braga realiza um trabalho sério e dedicado por quatro anos com Arnaldo Rocha, que teve quase 50 anos de convivência com Chico Xavier. Arnaldo revelou uma série de reencarnações de si mesmo e de “Nossa Alma Querida”, como se refere a Chico. Arnaldo Rocha foi amigo pessoal de Chico e doutrinador de um grupo de desobsessão em que ambos participavam. O nome era “Grupo Coração Aberto”, onde muitas revelações sobre vidas passadas na história planetária foram reveladas.

Chico Xavier e Arnaldo Rocha

O resultado do trabalho pode ser parcialmente visto nos livros “Instruções Psicofônicas” e “Vozes do Grande Além”. Dentre várias encarnações de Francisco Cândido Xavier, algumas já foram elucidadas:

1 - Hatshepsut (Egito) (aproximadamente de 1490 AC a 1450 AC)

Era uma farani – feminino de faraó – que herdou o trono egípcio em função da morte do irmão. A regência dela foi muito importante para o Egito, já que suspendeu os processos bélicos e de expansão territorial. Trouxe ao povo um pensamento intrínseco e mais religioso. Viveu numa época em que surgiram as escritas nos papiros, o livro dos mortos. Hatshepsut foi muito respeitada e admirada pelo povo egípcio. Obesa e diabética, com câncer nos ossos, desencarnou em torno dos 40 anos, por causa de uma infecção generalizada. Hatshepsut foi a primeira faraó (mulher) da história. Governou o Egito sozinha por 22 anos, na época o Estado era um dos mais ricos.

2 - Lucina (Roma-Itália) (aproximadamente 60 AC)

Lucina era casada com o general romano chamado Tito Livonio (Arnaldo Rocha reencarnado), nos tempos da revolução de Catilina. Nesta jornada, Lucina teve como pai Publius Cornelius Lentulus Sura, senador romano, avô de Publius Cornelius Lentulus (Emmanuel).

3 - Flavia Cornélia (Roma-Itália) (de 26 DC a 79 DC)

Nesta encarnação, Chico Xavier era filha do senador romano Publius Cornelius Lentulus (Emmanuel). Arnaldo Rocha confidenciou que quando Chico se lembrava da reencarnação de Flavia sentia muitas dores, porque ela teve hanseníase. Também se percebia um forte odor que se exalava.

4 - Lucrezja di Colonna (Itália) (Século XIII)


Nesta encarnação, Chico Xavier nasceu na família de Colonna, assim como Arnaldo Rocha, que era Pepino de Colonna, e Clóvis Tavares, na época Pierino de Colonna. Os três viveram na época de Francisco de Assis e tiveram contatos, encarnados, com este espírito iluminado.


5 - Ruth Céline Japhet (Paris-França) Encarnação anterior à de Chico Xavier (1837/1885)

Sua infância lembra os infortúnios de Chico Xavier, tal a luta que empreendeu pela saúde combalida. Era médium desde pequena, mas só por volta dos 12 anos começou a distinguir a realidade entre este mundo e o espiritual. Na infância, confundia os dois. Acamada por mais de dois anos, foi um magnetizador chamado Ricard quem constatou que ela era médium (sonâmbula, na designação da época), colocando-a em transe pela primeira vez. Filha de judeu, Ruth Céline Japhet contribuiu com Allan Kardec para trabalhar na revisão de “O Livro dos Espíritos” e do “Evangelho Segundo o Espiritismo”, durante as reuniões nas casas dos Srs. Roustan e Japhet. Isso pode explicar por que Chico sabia, desde pequeno, todo o Evangelho. Em palestra proferida em Niterói no dia 23 de abril, o médium Geraldo Lemos Neto citou este fato: “Desde quando ele tinha cinco anos de idade, Chico guardava integralmente na memória as páginas de “O Evangelho Segundo o Espiritismo”. A história de Chico Xavier todos nós sabemos. Ele somente veio ter contato com a Doutrina Espírita aos 17 anos de idade”, finalizou.

Para contrariar o pressuposto de que Chico Xavier foi Allan Kardec, o próprio médium mineiro relatou a admiração pelo codificador em carta publicada no livro “Para Sempre Chico Xavier”, de Nena Galves: “Allan Kardec vive. Esta é uma afirmativa que eu quisera pronunciar com uma voz que no momento não tenho, mas com todo o meu coração repito: Deus engrandeça o nosso codificador, o codificador da nossa Doutrina. Que ele se sinta cada vez mais feliz em observar que as suas idéias e as suas lições permanecem acima do tempo, auxiliando-nos a viver. É o que eu pobremente posso dizer na saudação que Allan Kardec merece de todos nós.

Sei que cada um de nós, na intimidade doméstica, torná-lo á lembrado e cada vez mais honrado não só pelos espíritas do Brasil, mas de todo o mundo. Kardec vive”.

PUBLICADO NO JORNAL CORREIO ESPÍRITA EM JUNHO DE 2010

5 coisas que você não sabia sobre o espiritismo

10:47 Redação 0 Comments


1. O espiritismo é próximo da ciência

Como a fé é um refúgio para pessoas que sofrem com depressão, por exemplo, líderes espíritas procuram cursos de psicologia para ajudar as pessoas por meio de embasamento científico.

2. É a "religião" dos ex-católicos

Uma pesquisa feita pelo DataFolha constatou que o espiritismo é a doutrina que mais se encontram ex-católicos. 82% das pessoas afirmaram que antes de se tornarem espíritas, já seguiram o catolicismo.

3. Machado de Assis não era muito "ƒã"

Em meados de 1870, Machado de Assis afirmou que o espiritismo era uma fábrica de idiotas e alienados e usou seus contos “Quincas Borba”, “O Alienista” e “Uma Visita de Alcebíades” para fazer sátiras ao comportamento da comunidade espírita.


4. O Espiritismo tem uma visão aberta e moderna de mundo

De acordo com Alexandre Caldini, autor do livro “Espiritismo”, em entrevista à Livraria da Folha de São Paulo, “Pelo modo que o espiritismo foi elaborado, ele tem uma visão de mundo muito mais aberta, muito mais eclética, muito mais holística.”

5. Allan Kardec e o “Dicionário Larousse” em 1876


De acordo com a edição de 1876, do “Dicionário Larousse”, Allan Kardec já foi descrito como um sujeito que difundiu uma epidemia de supranaturalismo na Europa e criou uma doutrina moral fundada em “quiméricas manifestações de espíritos”.