Chico Xavier comenta sobre Umbanda e Candomblé

06:13 Meu Livro Espírita 0 Comments



Muitos leitores nos perguntam com frequência o que o espiritismo diz sobre a Umbanda e o Candomblé. Pensando nisso, abordamos abaixo as respostas de Chico Xavier no programa Pinga Fogo, de 1971.

Ressaltamos que essa publicação é meramente informativa, sem intenção de fazer juízo de valor com as partes abordadas.


1 - UMBANDA

Pergunta: Quem são os “pretos-velhos”, “exus” e “pombas-giras” que incorporam na Umbanda? Se são espíritos de luz, por que há necessidade de cigarro, cachaça e sons barulhentos?

Chico Xavier responde: Para espíritos de luz, ou seja, espíritos superiores e puros, não existem necessidades materiais. Os espíritos que trabalham nos terreiros, em sua grande maioria, são aqueles que ainda guardam grandes necessidades das sensações terrenas e por isso usam os médiuns para absorvelas; quando não têm, fazem-no através dos despachos. São, na classificação da Doutrina Espírita, chamados de espíritos mais simples. É claro que existem aqueles outros que, tendo condição moral mais elevada, manifestam-se nos terreiros de Umbanda, guardando os procedimentos ali adotados.

Anos depois, Chico ressaltou:  "Eu sempre compreendi a Umbanda como uma comunidade de corações profundamente veiculados a caridade com a benção de Jesus Cristo e nesta base eu sempre devotei ao movimento umbandista no Brasil o máximo de respeito e a maior admiração." 


2 - CANDOMBLÉ

Pergunta: Qual a diferença entre as entidades de luz da Doutrina Kardecista e os orixás do Candomblé, que são reverenciados em seus templos com bons pratos, roupas tradicionais e músicas? Isso não seria prendê-los ao materialismo?

Resposta: Primeiro; devemos esclarecer que a Doutrina não é Kardecista e sim dos Espíritos. Allan Kardec foi o codificador dessa Doutrina, ou seja, através de método científico, reuniu e compilou, com a ajuda de vários médiuns, as informações que hoje conhecemos editadas nos livros básicos da Doutrina Espírita.

Quanto à diferença entre “entidades de luz”, ou seja, espíritos de luz e os orixás do Candomblé; esta reside no fato de que os espíritos de luz encontram-se em elevada condição de evolução moral, estando, portanto, livres das sensações materiais.

Sem dúvida que as oferendas que recebem os “orixás” os prendem à matéria.
Da Obra “Plantão De Respostas “ – Emmanuel E Francisco Cândido Xavier.

Retirado do Grupo de Estudo Allan Kardec

Comente com o Facebook: