Psicografias de Chico Xavier citam extraterrestres

10:39 Meu Livro Espírita 0 Comments


A ligação do espiritismo com a ideia de possíveis seres extraterrestres é antiga. Allan Kardec, codificador da doutrina, já em 1868 se referia à existência de vida inteligente em outros mundos.

Posteriormente, relatos surpreenderes psicografados por Chico Xavier vieram à tona por meio dos espíritos Humberto Campos e Maria João de Deus, que contaram suas experiências no astral do planeta Marte. Confira os destaques:

“Vi-me à frente de um lago maravilhoso, junto de uma cidade, formada de
edificações profundamente análogas às da Terra.”
(Maria João de Deus— Cartas de uma Morta)




“Ao longe, divisei cidades fantásticas pela sua beleza inaudita, cujos edifícios, de algum modo, recordavam a Torre Eiffel ou os mais ousados arranha-céus de Nova York (...). Ante os meus olhos atônitos, rasgavam-se avenidas extensas e amplas, onde as construções eram profundamente análogas às da Terra.” (Humberto de Campos — Novas Mensagens)

“Percebi que a vida da humanidade marciana é mais aérea. Poderosas máquinas,
muitíssimo curiosas na sua estrutura, cruzavam os ares, em todas as direções”
(Maria João de Deus — Cartas de uma Morta)

“Máquinas possantes, como se fossem sustidas por novos elementos semelhantes ao “Hélium”, balouçavam-se, ao pé das nuvens, apresentando um vasto sentido de estabilidade e de harmonia, entre as formas aéreas.” (Humberto de Campos — Novas Mensagens)

ASPECTOS GEOGRÁFICOS

“Percebi, perfeitamente, a existência de uma atmosfera parecida com a da Terra, mas o ar, na sua composição, afigurava-se-me muitíssimo mais leve. Assegurou- me, então, o Mestre, que me acompanhava (na excursão) que a densidade em Marte é sobremaneira mais leve, tornando-se a atmosfera muito rarefeita. (...) Apenas a vegetação era ligeiramente avermelhada, mas as flores e os frutos particularizavam-se pela variedade de cores e de perfumes. (...). Vi oceanos, apesar da água se me afigurar menos densa e esses mares muito pouco profundos. Há ali um sistema de canalizações, mas não por obras de engenharia dos seus habitantes, e sim por uma determinação natural da topografia do planeta que põe em comunicação contínua todos os mares (...).”
(Maria João de Deus — Cartas de uma Morta)

“Dentro da atmosfera marciana experimentamos uma extraordinária sensação de leveza (...).A vegetação de Marte, educada em parques gigantescos, sofria grandes modificações, em comparação com a da Terra. É de um colorido mais interessante e mais belo, apresentando uma expressão de tonalidade avermelhada em suas características gerais. Na atmosfera, ao longe, vagavam nuvens imensas, levemente azuladas, que nos reclamaram a atenção, explicando-nos o mentor da caravana que se tratava de vapor d’água, criadas por máquinas poderosas da ciência marciana, a fim de que sejam supridas as deficiências do líquido nas regiões mais pobres e mais afastadas do sistema de canais, que ali coloca os
grandes oceanos polares em contínua comunicação uns com os outros.”
(Humberto de Campos — Novas Mensagens)


ASPECTO FÍSICO DOS HABITANTES:

“Vi homens mais ou menos semelhantes aos nossos irmãos terrícolas, mas os seus organismos possuíam diferenças apreciáveis. Além dos braços tinham ao longo das espáduas ligeiras protuberâncias à guiza de asas que lhes prodigalizavam interessantes faculdades volitivas.”
(Maria João de Deus — Cartas de uma Morta)

“Tive, então, o ensejo de contemplar os habitantes do nosso vizinho, cuja organização física difere um tanto do arcabouço típico com que realizamos as nossas experiências terrestres. Notei, igualmente, que os homens de Marte não apresentam as expressões psicológicas da inquietação em que se  mergulham os nossos irmãos das grandes metrópoles terrenas. Uma aura de profunda tranqüilidade os envolve. É que, esclareceu o mentor que nos acompanhava, os marcianos já solucionaram os problemas do meio e já passaram pelas experimentações da vida animal, em suas fases mais grosseiras. Não conhecem os fenômenos da guerra e qualquer flagelo social seria, entre eles, um acontecimento inacreditável”. (Humberto de Campos — Novas Mensagens)

Comente com o Facebook: